UX é o novo SEO

Curso AI+Mobile em São Paulo

Dias 24 e 25 de setembro  |  Arquitetura de Informação + Mobile

     

    Não sou um profissional de Marketing ou de SEO, mas em boa parte dos empregos na qual passei eu acabava sendo o responsável pela otimização dos sites para os mecanismos de busca. Isso fez com que naturalmente eu começasse a trabalhar os conceitos de UX – que é a minha especialidade – como uma estratégia de SEO, e hoje existem cada vez mais fundamentos concretos para que isso seja considerado como ideal. Foi justamente sobre esse meu ponto de vista que resolvi falar durante o 7Masters SEO, que aconteceu em novembro deste ano.

    Assista abaixo o vídeo da pequena palestra, e leia algumas das minhas reflexões sobre esse assunto ;)

    UX como estratégia de SEO

    Ultimamente muitas empresas e profissionais estão começando a enxergar UX como uma área estratégica, e não como uma mera tendência ou disciplina do design. Não é a toa que encontramos tantos profissionais de UX liderando equipes de produtos ou fazendo mentoria para startups, por exemplo.

    Segundo uma pesquisa da Hyper Island, para muitas marcas, a experiência dos usuários em breve será mais importante que o preço como diferencial competitivo. Já uma pesquisa feita pela User Testing mostra que a cada U$1 investido em UX, obtém-se um retorno entre U$2 e U$100, dependendo da forma com que isso é aplicado. Dessa forma, muitas empresas já estão percebendo que investir em UX pode trazer mais resultados do que os investimentos comuns em marketing ou comunicação.

    Certamente, um dos fatores que influenciaram nesse maior engajamento das empresas e profissionais com relação a UX é a forma como o Google vem considerando a experiência dos usuários como fator de ranqueamento dos seus resultados. O gigante das buscas já deixou muito claro o seu desejo de servir as pessoas com conteúdos relevantes que forneçam uma experiência positiva. Por isso, questões como uma boa linkagem interna, interfaces adaptada para dispositivos móveis ou o tempo baixo de carregamento das páginas são fatores que impactam diretamente no posicionamento dos sites nos resultados de busca do Google.

    Dessa forma, podemos afirmar que uma boa estratégia de UX poderá também ser considerada uma boa estratégia de SEO, impactando positivamente o posicionamento do seu site nos mecanismos de busca.

    Disciplinas da UX impactando no SEO

    Quando olhamos para o diagrama User Experience Honeycomb criado por Peter Morville, percebemos as facetas da experiência do usuário que influenciam diretamente na proposta de valor de um produto, e é interessante perceber que alguns elementos como a acessibilidade, a encontrabilidade e a usabilidade são capazes de impactar diretamente em uma estratégia de SEO.

    The User Experience Honeycomb

    Quando falamos em acessibilidade, gosto sempre de citar o caso de Legal & General, que foi uma das primeiras empresas comerciais a aplicar as diretrizes de acessibilidade para conteúdo web da W3C em seu site (WCAG, do inglês Web Content Accessibility Guidelines). Além de melhorar a experiência das pessoas que possuíam deficiências físicas ou tecnológicas, a empresa obteve uma série de benefícios como o aumento de 50% na listagem natural das buscas, a melhoria significativa no ranking do Google para todas as palavras-chave em foco, a redução em 75% no tempo de carregamento das páginas e um aumento de 300% nas taxas de conversão.

    Quando pensamos em encontrabilidade, nos remetemos diretamente a Arquitetura de Informação, que é a disciplina responsável pelos sistemas de organização, rotulagem, navegação e busca. Quando os usuários – ou os mecanismos de busca – não encontram algo que querem em um site, na maioria das vezes eles acreditam que o site não tem a informação ou produto desejado, e por isso um bom trabalho de Arquitetura de Informação é imprescindível para atingirmos o equilíbrio entre o contexto (mercado de atuação, políticas e empresa e regras de negócio), os usuários e o conteúdo, o que irá impactar tanto na encontrabilidade das informações quanto na indexação das mesmas pelos mecanismos de busca, contribuindo para o SEO.

    Quando consideramos a questão da usabilidade, além da contribuição da já citada Arquitetura de Informação, devemos nos preocupar com um bom trabalho de Design de Interfaces no que diz respeito a boas práticas de interação aplicadas a uma interface. Considerando que neste ano de 2015 o acesso a internet já se tornou maior através de dispositivos móveis como smartphones do que através de computadores desktop, o Google anunciou oficialmente que o seu algoritmo de busca iria priorizar os sites adaptados para mobile nos seus resultados de busca – o que fez com que as empresas que possuem sites sem uma boa usabilidade nos smartphones estremecessem. A verdade é que os usuários no contexto mobile podem fazer tudo o que os usuários no contexto desktop conseguem fazer, desde que as interfaces lhes sejam apresentadas de uma forma usável.

    Sites que usam Web Design Responsivo, isto é, sites que funcionam em todos os dispositivos com o mesmo conjunto de URLs, com cada URL fornecendo o mesmo HTML a todos os dispositivos e usando apenas CSS para alterar como a página é processada no dispositivo. Essa é a configuração recomendada pelo Google.

    Por essas e por outras questões é que digo que antes de pensar no planejamento de SEO, você deve primeiro olhar para as necessidades, desejos e limitações dos seus usuários, e se preocupar em fornecer a melhor experiência possível. Além de melhorar o nível de satisfação dos seus clientes e obter um maior retorno sobre investimento, você estará traçando uma das melhores estratégias de SEO.


    Errata: no vídeo, ao comentar sobre os fatores que impactam diretamente no posicionamento dos sites nos resultados de busca do Google, acabo citando erroneamente a Taxa de Rejeição. Esse não é dos fatores de ranqueamento do Google, e nem poderia já que se trata de uma métrica subjetiva que pode ter significados diferentes nos diversos segmentos de sites da web.

    Publicado por

    Edu Agni

    Edu Agni é designer especialista em experiência do usuário, e trabalha há treze anos nas áreas de design e usabilidade, já tendo passado por agências de design e marketing esportivo, fábrica de software, portal de conteúdo e startups. Atualmente é UX Designer na ContaAzul, curador da área de design da Campus Party Brasil e fundador da Mergo, empresa focada em cursos na área de UX.

    Um comentário em “UX é o novo SEO”

    1. Parabéns pelo artigo. Acredito que o Google está avaliando a experiência do usuário como um dos fatores mais importante em seu algoritmo. E logo logo vários sites cairão por não se adaptar.

       

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado.